terça-feira, 26 de abril de 2011

HISTÓRIAS DUM TERRAMOTO - 2:46 PARTE III


MUENBOTOKE

A 11 de Março de 2011, um sismo de magnitude sem precedentes...
No ano passado deixei que me lessem a  palma da mão por brincadeira. Era parte dum evento num hotel - vinho, queijo e alguém que lia a sina. A mulher que fazia isso, parecia suficientemente agradável, talvez no inicio dos seus quarenta anos, cabelo comprido, negro e encaracolado, uma saia longa vermelha, casaco de couro negro sobre uma blusa púrpura, uma cruz egipcia com uma fita de seda preta segurando-a à volta do pescoço em vez duma corrente.
Com um ar jovial, segurou a minha mão na sua enquanto eu me sentava, focou-a, esticando levemente a palma com um dedo pequeno e fino, e disse uma coisa um pouco estranha.
"Você tem um quadrado no monte de Mercúrio, a sua vida será e tem sido, uma vida excitante, ensombrada pela fatalidade onde esteve e onde há-de ir."
"Será que eu não poderia ter direito a uma leitura ligeiramente mais optimista?" brinquei. Ela riu-se e eu fingi que tinha que me encontrar com alguém, que estava atrasado, e saí. 
Eu não preciso que alguém me diga que a minha vida involve fatalidade. Todos conhecemos aquele pequeno e divertido provérbio Budista acerca da nossa condição de seres mortais:
"A causa da morte é o nascimento".
(...)

JAKE ADELSTEIN
TÓQUIO

28 comentários:

Ariel disse...

Wow, adorei o final. Arrepiante!
E que coisa né? Como um evento pode mudar tanto assim a vida das pessoas... =/
Beijos, querida!
catwalkin.blogspot.com
keepitvicious.blogspot.com

Wanderley Elian Lima disse...

Concordo com a Ariel, o final é fantástico. Realmente a unica causa da morte é o nascimento. Disse tudo.
Beijos

M. disse...

Caramba...Vamos la enganar a dita morte?!

Como o fizeram esses autores e sobreviventes do terremoto?

Bora?

Luis disse...

Minha Boa Amiga,
Peço desculpa mas morrer não é nenhuma fatalidade. É algo de muito natural pois como disse para se morrer é essencial que se esteja vivo!
Um beijinho amigo.

Guará Matos disse...

Enquanto isso a cada minuto vou (des) vivendo.

Bjs.

Guará Matos disse...

Enquanto isso a cada minuto vou (des) vivendo.

Bjs.

Ângela disse...

Amiga querida, tenho um pouco de medo de vidência, medo dessas pessoas que "dizem" ter o poder de nos dizer o futuro.
Sigo acreditando que o futuro a Deus pertence, e que para morrer basta estar vivo.

beijos, carinhos e milhões de borboletas, alias elas já estão nas vitrines daqui também.

ONG ALERTA disse...

O final chegou...beijo Lisette.

Georgia disse...

Oi, tudo bem por aí? Ah, hoje que estou melhor da enxaqueca...

Bjinhos!

Bia Jubiart disse...

Oi Bella!

Como não acredito em morte, a palavra não me assusta.

Acho engraçado é que todos sabemos que um dia a matéria virará pó, mas o tema "morte" mexe muito com as pessoas e sempre é uma péssima surpresa...Quando ocorre. A sensação que dá é que nunca estamos preparados para a ausência da matéria.

Beijos e carinhossssss

Astrid Annabelle disse...

Uma história com um grande final!
Adorei....
Beijos ternurentos
Astrid Annabelle

**estive off line por uns dias**

Lívia Azzi disse...

“Viver é perigoso”!

Suspiros...

Se assim não fosse será que suportaríamos??

E cada momento valeria tanto quanto??

Prefiro não prever o futuro, assusta e pode ser muito angustiante...

Beijos e carinhos, mais querida Loli!

Adoro-te!

Nikita Roraima disse...

Loli depois de ler isso vou te deixar um depoimento ao invés de comentário. Certa vez perto do terminal de ônibus minha irmã viu uma senhora que estava sentada em um banco e ao lado uma placa dizia que fazia vidência e leitura de mãos. Minha irmã foi e eu de curiosa acompanhei, como achei umas coisas muito verdadeiras deixei que lesse também a minha. Fazia pouco mais de 15 dias que tinha perdido minha filha caçula. A primeira coisa que ela me disse ao ler minha mão foi que aquela era a hora da minha filha e que eu não precisava do perdão dela, pois não era minha culpa. Me arrepio até hj. Na mesma hora chorei. A senhora era chilena, estava de passagem por Roraima e eu nunca a tinha visto. Os olhos eram os mais azuis que eu já tinha visto, os cabelos eram brancos, despenteados e os dentes pareciam nuncar ter visto escova ou pasta de dentes durante toda a vida. O meu final acredito ser tão surpreendente qt o seu, mas é oposto né? Bjos e ótimo dia!

Tatiana disse...

Vixie Maria.....eu prefiro passar longe de qualquer cartomante ou familiares....
Prefiro ficar a mercê das surpresas mesmo...rs.
Beijocas.

Leo disse...

Concordo contigo Loli, não precisamos de alguém que preveja nossas fatalidades, a vida já é dura por si só.

Adorei o provérbio

Mil beijooooos

Tabeteimasu - Denise disse...

Olá querida,

O final fez todo o sentido, muito lindo!

E vamos viver intensamente!!!

Beijos, beijos e mais beijos!

LuH disse...

Loli,

Primeiro silencio pq a sabedoria do provérbio e do seu olhar lançado para a vida me encantam e me rossoam...

vidAMORte

Percebo cada dia mais que nem partida, nem chegada, o importante mesmo é o caminho

Viver e morrer fazem parte do pacote humano, mas o que mais significa para nós é o AMOR...

Abç carinhoso!
E feliz com sua presença!
:)

Corina de Oliveira disse...

Já em 11 de março também foi o atentado na Espanha... que cena...

Irene Moreira disse...

Loli

Seus posts trazem grandes verdades e muito a a refletir.

Nascemos , vivemos e morremos é esse o ciclo a cumprir.

Beijos

Glorinha L de Lion disse...

Amoreco, ao nascer já não começamos a morrer? ainda bem que no meio do caminho esquecemos disto e só voltamos a nos lembrar no final...senão a vida seria terrivelmente angustiante...mas se existissem deuses, eles certamente estariam a brincar conosco...eterno jogo do gato e rato...beijos amiga querida,

Anne Lieri disse...

Loli,que grande frase nesse final inusitado!Eu não creio em bruxas,mas...rsss...essa cigana deve ser daqui do Largo 13...rsss...uma previsão nada otimista!Adorei seu texto e muito mais sua atitude!Bjs,

Élys disse...

Minha querida
Creio em uma vida eterna.
Viemos a Terra para um aprendizado.
Chegará um momento em que teremos de retornar e deixar o corpo físico que tanto nos ajuda.
O momento deste retorno é suave e certamente iremos para um lugar muito aprazível continuando a viver.
Assim, eu creio.
Beijos

Carla Farinazzi disse...

Oi Loli!

Pois a vida está justamente nesse curto período entre o nascer e o morrer. Aproveitemo-la então! Passa muito rápido.
Dentre alegrias, tristezas, sobrevivências, dores, sofrimentos, amores... esse "trechinho" entre nascer e morrer é a nossa jornada. Que a façamos cada dia melhor.

Beijos

Carla

nacasadorau disse...

Sweet Loli!

Estou mesmo atrasada nos comentários, sorry!

Já tive muito medo da morte, sobretudo em criança. Foram normais as consequências de alguns acontecimentos, tão somente isso.
Juro-te que já há muito que não temo a morte, só o possível sofrimento que a possa anteceder.

Beijo docinho.

Nilce disse...

Tenho medo destas senhoras Margarida.
Acredito mais em que para se morrer, basta estar vivo.

Bjs no coração!

Nilce

na-chan disse...

Sempre tive medo de saber o meu futuro...embora eu acredite que a vida será sempre generosa comigo!
beijos

Bombom disse...

Também não gosto de predicções. Prefiro caminhar acreditando que o futuro não me será adverso mesmo quando as tempestades chegarem...
Apesar de toda a crueza deste terrível terramoto e tsunami, alguém sobreviveu para contar. E virão os dias de bonança.
Bjs. Bombom

A Designer de Joias disse...

com certeza , se tivermos medo da morte..viveremos com medo e deixaremos a felicidade passar despercebida....é algo que faz parte e justifica o nosso existir....
Bjos linda

Blogs Amigos e Recomendados

 
Copyright © 2010/2011 Banzai.
Template customizado por Meri Pellens. Tecnologia do Blogger