sexta-feira, 25 de junho de 2010

"CARPE DIEM"


"O olhar é uma opção. Quem olha decide fixar os olhos numa determinada coisa e, portanto, não prestar atenção ao resto das coisas abrangidas pelo seu campo de visão. É por isso que o olhar, que é a essência da vida, é essencialmente uma recusa."
Amélie Nothomb, "Metafísica dos Tubos"

Amélie Nothomb, na foto, nasceu em Kobe, no Japão, em 1967, no seio duma família tradicional de Bruxelas. Desde 1992, data da publicação do seu primeiro romance, que nunca mais parou de escrever. Levanta-se ás quatro da manhã e alimenta-se de chá - preto e forte - até ao entardecer: "Preciso de estar esfomeada para escrever." Pelo menos um dos seus livros está traduzido em Português, "Metafisica dos Tubos", um romance autobiográfico narrado do ponto de vista duma criança (ela própria) que vai descobrindo o mundo particular em que vive, o Japão, onde o pai diplomata é apaixonado por teatro Nõ, e o pequeno tanque de pedra do jardim era habitado por três carpas -Jesus, Maria e José - uma trindade de "Castafiore, mudas, obesas, de vestidos coleantes..." que ela se sentia obrigada a alimentar diariamente , e que povoavam de pesadelos a sua mente de criança.
"Dez anos mais tarde, quando aprendi Latim, esbarrei com esta frase: Carpe Diem.
Antes de o meu cérebro ter tido tempo de a analisar, o meu velho instinto já a tinha traduzido: "UMA CARPA POR DIA." Um adágio absolutamente asqueroso, que resumia o meu calvário de outrora.
"Aproveita o dia presente" era, evidentemente, a tradução correcta. Aproveitar o dia presente? É fácil de dizer. Como é que podemos usufruir dos frutos do quotidiano quando, de manhã, só conseguimos pensar no suplicio que nos espera e à tarde, ficamos a remoer naquilo que vimos?
(...) Era o mesmo que dizer a Blandine (escrava convertida ao Cristianismo que foi martirizada), quando se encontrava na cova do seu suplicio: "Vá lá, não penses nos leões!"
A comparação justifica-se: cada vez mais, tinha a impressão de que era a minha própria carne que alimentava as carpas. Emagreci. Depois do almoço dos peixes, chamavam-me para ir para a mesa e eu não era capaz de engolir nada.
À noite, na cama, povoava a escuridão de bocas escancaradas. Chorava de horror agarrada á almofada. A auto-sugestão era tão forte que os corpos gordos, escamosos e flexíveis das carpas vinham ter comigo entre os lençóis, estreitando-me - e as suas carantonhas beiçudas e frias desabavam sobre o meu corpo. Eu era a amante impúbere de fantasmas pisciformes. (...) De tanto ver criaturas dignas de Jerónimo Bosch, as minhas insónias, outrora feéricas, transformaram-se num martírio."

Fonte: Amélie Nothomb, Metafísica dos Tubos
Foto das carpas tirada num dos meus passeios em Tóquio...

14 comentários:

Talles Azigon disse...

sempre eu fico impressionado com seu gosto e sua seleção,
bem verdade o texto me lembra a mim Drummond que disse que a matéria que ele usava para seus poemas era o mundo presente, os homens presente, a vida presente

de inicio é algo bem obvio mais se você ler ler pensar você vê que a alma do autor diz que a vida é nos dada de presente, os homens o mudo, viver aceitar e aproveitar é opção nossa, ele também disse uma vez que a vida não presta

aí não vou me aprofundar muito em poemas se não não paro nunca mais

abraços

^^

"Hamilton H. Kubo - Profundo Pensar" disse...

Olá Magarida, confesso que uma postagem inesperada, mas digna de atenção.
Achei muito interessante toda uma história narrada, profundo e de pura reflexão;
Desde a opção que é o olhar, que naturalmente se torna recusa.
Ao Carpe Diem que devo dizer adorei a primeira tradução.
Mas ao oposto da profundidade do pensamento de Amélie, eu julguei a tradução "Uma carpa por dia" como algo belo de se ver, ao contrário do que a ela se tornou;

Como sempre devo lhe dizer que nos presenteia com seus escritos, e por isso é que a ti só tenho a agradecer, inclusive seu imenso carinho!!

Beijos de boa noite querida Margarida e que seu final de semana seja repleto de felicidades.

Felipe Nasca disse...

Fascinante texto! E um tanto bizarro também... jamais imaginaria alguém com tamanho pavor de CARPAS, mesmo na mais tenra infância, rs!

Ester disse...

Lindas palavras...que sensibilidade dela!
São sempre textos bem selecionados que vc traz, mas me pergunto, como voce acha tempo de ler tanto...
Parabens!
Deixei resposta pra vc no blog, gostei do link, valeu!
beijos

Meri Pellens disse...

Que triste. Nisso vemos que não devemos impor obrigações severas às crianças.

Obrigada por seu carinho iluminado lá no SPA. O problema era do blog mesmo e já foi resolvido.

Beijos na sua linda alma!

Nilce disse...

Margarida,

E mais uma vez vem vc nos premiar com este post.
Vc consegue reunir a percepção com a reflexão, com um conhecer muito aprimorado.

Parabéns querida.

Bjs no coração!

Nilce

Betty Gaeta disse...

Oi Margarida,
Nunca tinha ouvido falar nela! será que tem traduçao no português do Brasil, pois nem sempre o que é traduzido aí, chega aqui?
Gostei de Lolita, será que minha gatinha vai gostar tb?
Bjkas e um ótimo sábado para vc.

Fernanda disse...

Hi sweet friend!

Hoje venho só deixar-te um beijinho, estou a chegar de Ovar onde passei o dia e estou "rota".

Volto amanhã!
See you tomorrow!
Kisses and cuddles!

Bah disse...

Adorei essa frase do início. Adorei mesmo...

Kisu!

Ângela disse...

Margarida, minha linda flor! Carpe Diem é uma palavra que trago sempre comigo e costumo usa-la pelo seu significado. Meu ex-marido faz parte de um grupo de motoqueiros de estrada cujo nome também CARPE DIEM.lá no blog tem um post que fiz sobre uma viagem da minha filha com ele e seu grupo. Como sempre, o texto é lindo.
Me lembrei muito de você no nosso último jogo.
beijokas

Ângela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernanda disse...

Hi sweet friend Margarida!

Hoje não fiz nada, ou quase nada!
Dormi horas ao sol e banhei-me na água quentinha da pool.
Estou a perder muitos textos teus, não posso, não quero!
Will you please slow down :))) so that I can have some time to read and comment them?!!!PLEASE!
Hai???
Oyasuminasai!

Volto amanhã mais cedo, com tempo para pôr a leitura em dia!

Beijo

Michelle Lynn disse...

Encatamento, beleza, ensinamento... seus posts, seu blog, você e tudo mais que vejo por aqui...

PS.: Um pouco atrasada nos comentários, mas nunca na leitura (escrevi o mesmo para o Hamilton, meus dois blogs favoritos.)

Fernanda disse...

Olá Margarida!
Sweet Lolipop!

Voltei, mas tarde!
Sei que não tenho desculpa, mas atrevo-me a pedir-ta.
Estou quase a acabar o ano lectivo, depois fico com mais tempo.
Estive e publicar no Rau e o meu computador está uma lesma.
Sei que quando cemeçar a ler os textos que me faltam será num ápice, porque adoro os temas e a forma maravilhosa como escreves.

Love

Blogs Amigos e Recomendados

 
Copyright © 2010/2011 Banzai.
Template customizado por Meri Pellens. Tecnologia do Blogger