terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

O céu azul do Zen

Uma massa solitária de nuvens aparece de repente no céu azul. Espalha-se imediatamente cobrindo-o inteiramente, e somos incapazes de ver para além desse véu. Mas, fica-nos o desejo de o penetrar, porque sentimos a falta do céu azul. Somos levados a pensar que as nuvens e o céu azul, se bem que sem relação aparente, devem estar de algum modo interligados. Começamos a perceber a presença desse céu azul dentro da escuridão das nuvens e com elas. As nuvens, cessam então de incomodar-nos como algo velando o azul. Elas continuam lá, mas deixaram de nos perturbar. O porquê perde o seu significado, já não existe contradição, e podemos desfrutar de liberdade e harmonia interior debaixo do céu azul.
"It is mind that deludes Mind
For there is no other mind
O Mind, do not let yourself
Be misled by mind."
Old Japanese Poem
Adaptação de um texto de Daisetz T. Susuki in "Zen and Japanese Culture"
Este post é dedicado ao novo seguidor do Banzai, o blogger Palavras de Osho.

1 comentários:

Palavras de Osho disse...

Maravilhoso...

Muitíssimo obrigado pela inestimável gentileza.

abs
Murilo - editor do Palavras de Osho

Blogs Amigos e Recomendados

 
Copyright © 2010/2011 Banzai.
Template customizado por Meri Pellens. Tecnologia do Blogger